Flamenco - Espetaculos / Loja

E l   C a m i n o   F l a m e n c o ®

O flamenco!

O que é o flamenco?


O flamenco é a música, o canto e a dança cujas origens remontam às culturas cigana e mourisca, com influência árabe e judaica. A cultura do flamenco é associada principalmente à região da Andaluzia, na Espanha, assim como a Múrcia e Estremadura, e tornou-se um dos símbolos da cultura espanhola. Em 16 novembro de 2010, o flamenco foi declarado património cultural imaterial da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Originalmente, o flamenco consistia apenas de canto (cante) sem acompanhamento. Depois, começou a ser acompanhado por guitarra(toque), palmas, sapateado e dança (baile). O toque e o baile podem também aparecer sem o cante, embora o canto permaneça no coração da tradição do flamenco. Mais recentemente, outros instrumentos como o cajón (percussão - originário do Peru, introduzido no flamenco por Paco de Lucía) e as castanholas foram também introduzidos assim como vários outros instrumentos como o violino, o celo e flauta; o que veio a engrandecer as nuances musicais além da tradicional guitarra.

Muitos dos detalhes do desenvolvimento do flamenco foram perdidos na história da Espanha e existem várias razões para essa falta de evidências históricas:

Os tempos turbulentos dos povos envolvidos na cultura do flamenco. Os mouros, os ciganos e os judeus foram perseguidos pela inquisição espanhola em diversos tempos;
Os ciganos possuíam principalmente uma cultura oral. As suas músicas eram passadas às novas gerações através de actuações em comunidade;
O flamenco não foi considerado uma forma de arte, sobre a qual valesse a pena escrever durante muito tempo. Durante a sua existência, o flamenco esteve dentro e fora de moda por diversas vezes.
Foi nesta situação social e economicamente difícil que as culturas musicais de judeus, mouros e principalmente ciganos começaram a fundir-se no que se tornaria a forma básica do flamenco: o estilo de cantar dos mouros, que expressava a sua vida difícil na Andaluzia, os diferentes "compás" (estilos rítmicos), palmas ritmadas e movimentos de dança básicos. Muitas das músicas flamencas ainda refletem o espírito desesperado, a luta, a esperança, o orgulho e as festas noturnas durante essa época. Músicas mais recente de outras regiões de Espanha influenciaram e foram influenciadas pelo estilo tradicional do flamenco.

"Cantor espanhol", quadro de 1860 de Édouard Manet A primeira vez que o flamenco foi mencionado na literatura remonta a 1774 no livro "Cartas marruecas", de José Cadalso. No entanto, a origem do termo "flamenco" continua a ser assunto bastante debatido. Muitos pensam que se trata de um termo espanhol que originalmente significava flamengo ("flamende"). Contudo, existem outras teorias. Uma das quais sugere que a palavra tem origem árabe, retirada das palavras "felag mengu" (que significa algo como "camponês de passagem" ou "fugitivo camponês").

Durante a chamada "época de ouro" do flamenco, entre 1869 e 1910, o flamenco desenvolveu-se rapidamente nos chamados "cafés cantantes". Os dançarinos de flamenco, em sua maioria ciganos, também se tornaram numa das maiores atrações para o público desses cafés. Ao mesmo tempo, os guitarristas que acompanhavam esses dançarinos, foram ganhando reputação e dessa forma, nasceu, como uma arte própria, a guitarra do flamenco. Julián Arcas foi um dos primeiros compositores a escrever música flamenca especialmente para a guitarra.

A guitarra flamenca e a guitarra são descendentes do alaúde. Pensa-se que as primeiras guitarras (como é chamado a guitarra na Espanha) teriam aparecido em Espanha no século XV. A guitarra de flamenco tradicional é feita de madeira de cipreste e abeto e é mais leve e um pouco menor que a guitarra clássica, com o objetivo de produzir um som mais agudo.
alaúde antigo
Ainda é possível encontrar em outros folclores da Andaluzia o instrumento bandurria, uma espécie intermediária entre o alaúde e a guitarra flamenca propriamente dita.

El Cante Flamenco

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DESTA ARTE ANDALUZ


Por El Palacio Andaluz Publicado em 10 de agosto de 2018.

A Academia Real da Língua Espanhola define o canto de flamenco como a 'canção andaluza agitada', então não há dúvida de que o povo cigano teve muito a ver com o surgimento dessa expressão artística, um elo que ainda hoje está vivo.

Se você olhar as letras do canto de flamenco, a maioria se refere a temas de amor, vida e morte. Essa arte, de origem andaluza, nasceu da expressão popular, resultado da perseguição sofrida por ciganos, judeus e muçulmanos na Espanha pelos monarcas católicos.

Em 1492, Isabel e Fernando obrigaram os cidadãos, que viviam sob seu reinado, a se converterem ao catolicismo, uma decisão que incluía punições duras e sentenças de morte para aqueles que resistiram a essa conversão, como foi o caso de judeus, muçulmanos e ciganos. .

Foi precisamente essa dura perseguição, que forçou esses grupos a se unirem para ajudar um ao outro. Como resultado dessa coexistência e fusão de culturas, emergiu o canto de flamenco, que se tornou expressão de angústia e protesto contra a opressão que eles sofreram.

Maera, cantora de dança flamenca

EVOLUÇÃO DO FLAMENCO CANTE A maioria dos estudos coincide com a fixação de Jerez de la Frontera (Cádiz) como o berço do canto do flamenco. A difusão desta arte em outros cantos da Andaluzia deve-se à natureza nômade dos ciganos, que costumavam ir de cidade em cidade vendendo seus produtos ou realizando trabalhos esporádicos. Esta é a razão pela qual o flamenco criou raízes em outras cidades da Andaluzia, como Sevilha e Granada.

Embora hoje o flamenco seja uma arte de reconhecimento internacional, foi declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2010, a história nem sempre foi benevolente com essa expressão artística, como podemos ver abaixo.

Aprecie o melhor show de flamenco em sevilha

Do século XV ao XVIII, os ciganos foram marginalizados, por isso cantaram 'escondidos' nas forjas, em suas casas ou em festas familiares, como casamentos e batismos. Com a chegada ao trono de Carlos III, em 1759, eles adquiriram o cartão de cidadania, receberam direitos civis e os ciganos começaram a deixar o anonimato.

A chegada dos Bourbons franceses à Espanha, no século XVIII, provocou a reação dos cidadãos aos "franceses" das classes altas e decidiu resgatar sua cultura mais popular. Isso beneficiou a arte flamenca, desde que a música e a cultura cigana começaram a despertar o interesse do povo espanhol.

Foi em 1780, quando o tio Luis de la Juliana surgiu em Jerez, considerado o primeiro cantor de flamenco da história. Este pioneiro foi seguido por outros artistas como Francisco Ortega de Puerto Real, também conhecido como 'El Fillo'; O planeta de Triana; Juan em couro; Juan de Dios, María de las Nieves; Perico, o galego; Franco el Colorado ou Luis el Cautivo, entre muitos outros cantores que fizeram história no canto de flamenco.

Quando se fala do estágio hermético do flamenco, faz-se referência ao que aconteceu entre 1800 e 1860. Nesse momento, o cante jondo triunfava nas casas de Calés em casamentos, batismos e festas domésticas. Além das canções jondo, havia também canções andaluzes de domínio popular, como fandangos, rondeñas, verdiales, sevilhanas, tempras, canções de debulha ou nanas.

Naquela época, os locais de referência do canto de flamenco eram o bairro de Triana, em Sevilha, Cádiz e as cidades de Cádiz do porto de Santa Maria, Sanlúcar e Jerez de la Frontera.

Flamenco cantando cafés de flamenco Até então, os cantores de flamenco eram apenas ciganos, que iam de uma cidade a outra para cantar em festas, casamentos e batismos por um prato de comida.

O período de 1860 a 1910 foi bom para esta arte, graças ao nascimento dos famosos Cafés Cantantes, instalações promovidas por Silverio Franconetti, criador do cante cigano-andaluz e o primeiro cantor não cigano conhecido.

Aqui, nos cafés de cantores (atuais tablos de flamenco), os artistas andaluzes começaram a cantar flamenco para o público. O sucesso foi tal que não havia cidade andaluza que não tivesse esse lugar.

CLASSIFICAÇÃO DE CANTE FLAMENCO Neste momento, a classificação do canto de flamenco começa no cante jondo e cante less jondo. Como o jondo parecia nada além do seguiririya, também incluía soleares, juncos, varas e cordilheiras.

O cante jondo refere-se aos estilos mais primitivos de canto de flamenco e são caracterizados por interpretações profundas nas quais o cantor deve expressar solenemente o sentimento da copla. O cante jondo é dividido em turnos grandes e pequenos, de acordo com o sentimento que eles expressam.

A música grande inclui os gravetos que são considerados mais profundos e mais sérios, dizem mais solenes. A letra expressa sentimentos profundos e angústia. Dentro deste estilo estão os sigiriyas, os tonás ou os soleás.

Por outro lado, por pequena canção, entendeu-se que ele não conhecia a seriedade e grandeza das grandes canções, ou seja, canções leves, sem grandes exigências para sua execução e interpretação.

A partir daqui, o flamenco começou a ser reconhecido e valorizado, algo que produziu o surgimento de artistas profissionais e a evolução do flamenco com a incorporação da dança e do violão.

EL FLAMENCO, UM FENÔMENO INTERNACIONAL Os clubes de flamenco de um show em Sevilha

Atualmente, o flamenco é um fenômeno internacional. Essa expressão artística, resultado de uma mistura multicultural, pode ser apreciada hoje em festivais e shows de flamenco que são celebrados em vários cantos do mundo.

No entanto, a Andaluzia ainda é uma referência da arte flamenca. Suas cidades mais emblemáticas são pontilhadas com tablos de flamenco, onde visitantes de todo o mundo podem ver em primeira mão a paixão e as emoções que os artistas transmitem ao vivo.

É o caso do Tablao El Palacio Andaluz, onde são realizados dois shows ao vivo de flamenco todas as noites com um elenco único de artistas na Andaluzia. Um programa que você pode reservar on-line e que foi escolhido pela Televisão Espanhola para a divulgação desta arte por sua qualidade artística e visual. Se você visitar Sevilha, tome nota da nossa recomendação.

A guitarra flamenca

A evolução da guitarra flamenca.


Segundo Norberto Torres (2009), a guitarra flamenca surge como uma união entre a tradição da guitarra popular dedilhado e o repertório popularizador dos “ares andaluzes” dos concertistas da segunda metade do século XIX.

Praticamente como temos evidências na Espanha da guitarra de quatro ordens, existe o conceito de "guitarra popular", caracterizado por acompanhamentos elementares e rudimentares em oposição a outros mais complexos da vihuela. Uma das características fundamentais deste guitarra popular é o uso de uma técnica muito característica: o rasgamento, um elemento que mais tarde se tornará uma característica distintiva da guitarra flamenca. Além disso, como Norberto Torres coloca, “parte do repertório de vihuelistas é nutrida pelo popular, e que um de seus procedimentos para compor, o de variações de brilho chamado diferenças, será preservado no toque com o nome de 'falsetas'” (Torres 2009)

com cinco ordens (internacionalmente conhecido como "guitarra espanhol"), podemos ver o uso frequente da técnica de dedilhar nos principais países europeus, principalmente para acompanhar danças. Espanhol Essa estética continuará ao longo do século XVIII, onde Cádiz se destacará como um lugar-chave na atividade musical em torno deste instrumento. Além disso, ainda existe essa conexão entre a guitarra acadêmico e popular, especialmente com o surgimento de novos gêneros, como o fandango (que contribuirá com algo fundamental ao toque do flamenco, como a chamada cadência andaluza) ou a jota.

Já na segunda metade do século, temos uma mudança fundamental para a história do instrumento, que é a adição de uma sexta ordem. É nesse momento que duas grandes escolas são definitivamente estabelecidas: a guitarra pontilhado (que será o futura guitarra “clássico”) e o popular guitarra de acompanhamento (que mais tarde se tornará a guitarra flamenca). Essa tendência será confirmada na primeira metade do século XIX, quando ocorrer a próxima grande mudança organológica do instrumento, que passará de seis cordas duplas para seis cordas simples (surgindo assim no flamenco, o "toque por arriba").

Na segunda metade do século XIX, o resultado do gosto burguês do "andaluz" como algo exótico, os guitarristas de concerto da guitarra acadêmico (especialmente os discípulos diretos ou indiretos de Dionisio Aguado) freqüentemente incluem em seus programas obras com influência "popular". Da mesma forma, os jogadores também serão influenciados pelo repertório desses artistas da escola. Lembre-se de que é a época dos cantores dos cafés e que esses tocaores deixaram de desempenhar a função de cantaor / tocaor e se dedicarão exclusivamente à sua função de acompanhantes. A guitarra flamenca nasce finalmente em sua forma mais pura, que será refletida alguns anos depois (em 1902) com o aparecimento do que foi o primeiro método de guitarra flamenca: Rafael Marín.

Desde então, e graças especialmente a dois guitarristas essenciais na história do flamenco, como Ramón Montoya e depois o maestro Paco De Lucía, a guitarra flamenca evoluiu exponencialmente, tornando-se independente hoje de sua função de acompanhamento de canto e música. de dançar e criar um novo aspecto: a guitarra de flamenco. Para chegar a essa situação, em que a guitarra flamenca é exigida internacionalmente e o amor por ela é enorme, devemos ser gratos pelo trabalho realizado pelos grandes artistas atuais como Víctor Monge “Serranito”, Manolo Sanlúcar, Oscar Herrero, Vicente Amigo ou Tomatito. , entre outros.

Palo flamenco

O que é o palo?


Palo é o nome que se dá às sub-classificações do Flamenco. Dependendo do compasso, da escala utilizada, da progressão de acordes, do tema abordado na letra e de outras características mais destacadas das músicas, estas podem classificar-se de diferentes maneiras, de forma que músicas em um mesmo palo apresentam características semelhantes. Dentre os principais palos flamencos destacam-se a Seguiriya, a Soleá, a Bulería, a Alegría, a Rumba, o Tango, o Fandango e a Sevillana. O Martinete é considerado o palo mais antigo, chamado a palo seco, ou seja, sem acompanhamento de guitarra. De certa forma, alguns destes palos eram músicas tradicionais que posteriormente foram incorporadas ao Flamenco. Assim sendo, muitos não consideram as Sevillanas, por exemplo, como sendo Flamenco. Vale notar que existem vários outros palos além destes, uma centena, como Canastera, Alboreá, Petenera, etc. Cada palo contém características marcantes que podem identificá-los. Assim os palos jondos são mais pesados, tristes, como a Soleá. Há contudo músicas que apresentam uma certa mistura dessas características.

O palo mais antigo no Flamenco, acompanhado de algum instrumento é a Seguiriya. Antes a ele as músicas eram apenas cantadas, sem dança nem guitarra (as chamadas Tonás), como no caso do martinete, onde aparece a bigorna como acompanhamento, por exemplo. Após as Seguiriyas vieram as Soleá, quando o Flamenco passou a ser apresentado, inclusive com dança. E então vieram as Bulerías, que apresentavam um caracter mais festivo, com danças mais aceleradas. As Bulerías são o palo em que o guitarrista/violonista ou o bailaor podem mostrar suas melhores habilidades, havendo muita improvisação. Já a Petenera, apesar de ser um palo bem raro de ser encontrado, possui toda uma lenda por trás, segundo à qual o compositor que a compusesse seria vítima de tal azar que seus dias estariam contados. Sendo assim, geralmente é escrita quando o autor está bastante deprimido, com letras associadas à morte (já que o autor "está ciente" de que vai morrer). Os palos flamencos mais enraizados apresentam compassos por 12, enquanto outros palos que foram encorporados ao flamenco ou sofreram influência de outros ritmos não-flamencos apresentam compassos por 3 e outros por 4, existindo até mesmo palos com ritmo livre, sem contagem exata.

Castanholas

História das castanholas.

As castanholas (do espanhol castañuelas) ou castanhetas são um instrumento de percussão que há três milénios já era conhecido pelos fenícios, os quais vulgarizaram o instrumento nas áreas do Mediterrâneo através do comércio marítimo. Na Andaluzia, em Espanha, tornou-se um instrumento nacional.

É constituído por dois pedaços de madeira de castanheiro em forma de prato fundo, perfurado e ornamentado com uma fita que se coloca em redor do polegar. O seu nome deriva do seu formato, que lembra uma castanha.

As castanholas emitem um som seco e oco, de entoação imprecisa. São também bastante populares em Portugal, onde há diversos modelos, assim como em vários países hispano-americanos.

As castanholas servem de acompanhamento rítmico para muitas danças folclóricas, como o flamenco. Na Igreja Católica, são utilizadas no Caminho Neocatecumenal. Na orquestra, são colocadas no extremo de uma pequena vara que é agitada, facilitando, deste modo, a sua execução a estrangeiros. Empregam-se na música erudita para obter um colorido espanholː por exemplo, na Carmen de Georges Bizet.

Em qualquer par de castanholas, há uma que tem o som mais agudo do que a outra, distinguindo-se, respetivamente, com os nomes de castanhola-fêmea e castanhola-macho. A castanhola-fêmea é segura com a mão direita e a castanhola-macho é segura com a mão esquerda. A castanhola-fêmea tem uma linha na parte superior para identificá-la visualmente da castanhola-macho. Para tocá-las, tem que segurá-las com o polegar através do cordão que as une; o qual atravessa a sua parte superior, chamada "orelha", fazendo-as estalar através da percussão rítmica dos restantes dedos. Em algumas ocasiões, as castanholas de uma das mãos batem com as da outra, dependendo dos passos de baile. Também podem ser produzidos efeitos de glissando, ondulando (alternando as duas mãos), trilos e rufos, que vêm do norte de Portugal.

Cajón

História do cajón.

Durante o período colonial das Américas, os negros escravizados vindos da África sofreram com uma série de restrições culturais afim de evitar o exercício dos costumes originais de suas tribos. Os tambores, por exemplo, eram proibidos por serem considerados pela igreja instrumentos de uma cultura pagã e podiam ser usados como forma de comunicação.

No Peru, afim de se driblar as restrições impostas pelos colonizadores, os escravos fizeram das caixas vazias de alimentos e frutas seus tambores. O cajón, caixa ou gaveta em espanhol, que era usado como assento, propiciou também o descanso mental tão necessário aos escravos e o resgate de sua cultura.

No Peru o cajón foi usado como acompanhamento de quase todos os ritmos Afro-Peruanos das regiões litorâneas e é, desde 2001, considerado “Patrimônio Cultural da Nação” apesar de sua origem ainda ser reivindicada por outros países próximos, como Cuba por exemplo. Seus maiores nomes no Peru são Porfirio Vásquez, que definiu sua forma definitiva e Nicomedes Santa Cruz que o mostrou ao mundo.

O cajón é um instrumento versátil pois permite que se extraia diversos timbres de acordo com forma ou do ponto em que se bate. Na década de 70, encantou o violonista Paco de Lúcia, de visita ao Peru, que o levou para a Espanha e o introduziu no flamenco, popularizando desta forma tanto o instrumento na Europa que é comum o público europeu achar que o cajón foi inventado na Espanha.

Hoje, devido à grande disponibilidade de informações, o cajón está cada vez mais popular, principalmente devido a sua versatilidade que permite que seja usado nos mais variados ritmos, muitas vezes substituindo a bateria ou partes dela em apresentações acústicas. Hoje em dia inclusive é possível observar evoluções do instrumento, como por exemplo os cajones inclinados (mais ergonômicos) e os amplificados que podem ser usados em apresentações onde se faz necessário mais volume.

Felag Mengu

História do flamenco.

Um espetáculo onde se representa o flamenco desde as suas origens até hoje.

Uma viagem pela arte flamenca. Com todo o misticismo e sentimento inerente a uma arte tão irreverente e densa, o grupo "El Camino" apresenta um espetáculo de Flamenco com todos os predicados exigíveis, canto, baile e toque. Esta viagem pretende recriar o desenvolvimento do flamenco desde as suas origens até aos dias de hoje, sem esquecer as origens árabes, o povo cigano e algumas das referências mais marcantes do flamenco.







topo ↑

     Curso de guitarra online GRATUITO

     Loja Flamenca